Dieta para Diabetes

A dieta ideal para Diabéticos

Uma boa dieta para diabéticos pode, junto com hábitos saudáveis e a prática de exercícios, garantir um excelente controle sobre a doença.

Como o diabético perde a capacidade de metabolizar adequadamente o açúcar recebido através da alimentação é preciso muita atenção na hora de escolher as refeições. Mas isso não precisa ser algo penoso, pois, é totalmente possível ter uma alimentação saudável e saborosa ao mesmo tempo. A palavra ou ação principal a partir de agora é: CONSCIÊNCIA.

Os pontos principais da dieta para diabéticos são:

  • escolher alimentos com baixo índice glicêmico e alto teor de fibras
  • fornecer nutrientes para o corpo
  • manter o corpo hidratado
  • eliminar completamente o açúcar da dieta (principalmente a frutose processada, veneno presente nos refrigerantes, barras de cereais e sucos de caixinha). Existem excelentes substitutos para o açúcar, assim ninguém precisa abrir mão do sabor doce.
  • Trocar alimentos processados por mais naturais ou minimamente processados (comida de verdade).
O consumo de carboidratos é um dos principais fatores de risco para diabeticos

A cilada dos carboidratos

A pessoa que se observa consegue perceber que a vontade de comer doces e tomar refrigerantes é diretamente proporcional ao seu consumo. Quanto mais refrigerante você bebe, mais refrigerante você quer. O mesmo vale para todos os alimentos ricos em carboidratos, principalmente os simples (pães, massas, doces etc.).

Porque isso acontece?

Quando você come ou bebe algo rico em açúcar o nível de glicemia do sangue sobe. Essa elevação ativa a insulina, hormônio responsável por transportar a glicose para dentro das células e reduzir os níveis de açúcar no sangue. O corpo sabe que o açúcar não pode simplesmente ficar circulando pelo sangue livremente, o que não for utilizado no momento é armazenado em forma de gordura, na barriga, nos culotes, etc.

Como a insulina age rapidamente os níveis de glicose no sangue despencam na mesma velocidade que subiram. Essa queda rápida do açúcar no sangue sinaliza para o cérebro  que é hora de se alimentar novamente, disparando os gatilhos da compulsão alimentar.

Esse efeito é maior nos alimentos industrializados com grandes quantidades de frutose processada, trigo e seus derivados.

A repetição exagerada desse ciclo promove o ambiente ideal para o desenvolvimento da resistência à insulina que desencadeia a síndrome metabólica que por sua vez desenvolve o diabetes tipo 2 e outras complicações. Quando o indivíduo já inicia com quadro importante de resistência à insulina (aproximadamente 35% da nossa população), o corpo perde a referência de como utilizar a sua gordura como fonte de energia e, por isso, mesmo que tenha muita reserva calórica gordurosa, o corpo está sempre necessitando de mais alimentos. Além disso, este estado inflamatório gerado por essa alteração metabólica, reduz os níveis de energia celular e o indivíduo se torna ainda mais sedentário, o que piora ainda mais este quadro.

Para aumentar o desafio, a oferta de açúcar nos tempos atuais é muito grande devido ao avanço da indústria alimentícia e da nossa própria necessidade de conveniência. E por isso temos 2 terços da população do Brasil sobrepeso e quase 35% em níveis pré-diabéticos (na palestra do TED sobre diabetes a Dra. Sarah Hallberg menciona que 50% dos americanos é pré-diabético).

Resumindo

  • Quanto mais carboidratos você come, mais quer comer
  • Açúcar de sobra engorda e engorda rápido
  • Se você come muitos produtos industrializados você coloca muito sal e açúcar dentro do corpo e tem muito mais risco de desenvolver o diabetes tipo 2

Saiba que entre 90% e 95% dos casos de Diabetes são do tipo 2 e são causados principalmente pela má alimentação e a falta de exercícios.

Low Carb é baseado em gorduras saudáveis

E como evitar essa cilada?

A chave para esse problema é ensinar o corpo a usar a energia estocada e isso é feito diminuindo carboidratos e aumentando gorduras naturais saudáveis.

Talvez a mudança mais difícil é mudar a crença de que as gorduras não são saudáveis, afinal crescemos escutando que a gordura saturada é o grande vilão da saúde. Mas esse conceito já foi desbancado pela ciência. O objetivo deste artigo não é explorar essas pesquisas ou os interesses de seus patrocinadores, isso tudo é muito bem explicado no artigo a verdade sobre as gorduras saturadas (em inglês ou veja o artigo traduzido) .

Assista a palestra da Dra. Sarah Hallberg para entender porque a alimentação rica em carboidratos aumenta os problemas de diabetes e como mudanças na dieta podem reverter a doença (em inglês): https://www.youtube.com/watch?v=da1vvigy5tQ

Veja abaixo como deve ser a dieta para diabéticos.

COMO COMER CORRETAMENTE PARA PREVENIR OU CONTROLAR O DIABETES

Dieta para Diabetes

AUMENTE A INGESTA DE FIBRAS

As fibras alimentares insolúveis são muito importantes na reversão do diabetes porque elas diminuem a velocidade de absorção do açúcar, estabilizando o nível de glicose no sangue.

Ao passar pelo aparelho intestinal as fibras retiram substâncias tóxicas que ficariam alojadas no intestino, no caso de uma alimentação sem fibras. Desta forma elas também auxiliam a prevenção de doenças graves, diminuem o nível de colesterol, regularizam o funcionamento do intestino, reduzem o risco de pedras na vesícula, reduz o risco de câncer no intestino e aumentam a saciedade.

O Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos recomenda a ingestão diária de 30 gramas de fibras. Segundo dados do Estudo Nacional de Despesa Familiar (Endef), do IBGE, o consumo médio de fibras por pessoa em São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre é de aproximadamente 20 gramas.

No caso do tratamento do diabetes é recomendado consumir 50 gramas de fibras/1000 kcal de alimentos por dia. Portanto, considerando uma ingesta calórica média de 2000 Kcal por dia, devemos ingerir pelo menos 100 gramas de fibra.

Fontes de fibras:

  • semente de chia e linhaça
  • amêndoas
  • brócolis
  • couve-flor
  • feijão
  • ervilha
  • lentilha
  • verduras
  • cascas de frutas
A dieta para diabetes deve ser rica em vegetais

Consuma muitas verduras e legumes

Os vegetais frescos e saladas verdes são o componente mais importante da alimentação, seja sua dieta onívora ou vegetariana.

Eles são os alimentos que possuem a melhor proporção entre calorias e nutrientes e devem ser comidos sem moderação, de preferência orgânicos.

Além disso, os vegetais são uma excelente fonte de fibras. Lembre-se que no caso do tratamento do diabetes é recomendado consumir 50 gramas de fibras/1000 kcal de alimentos por dia. Portanto, considerando uma ingesta calórica média de 2000 Kcal por dia, devemos ingerir pelo menos 100 gramas de fibra.

Sucos feitos com esses vegetais (sem frutas) são também extremamente saudáveis. Só não pode exagerar na beterraba e na cenoura, que são ricos em açúcar.

Dieta para Diabetes

GORDURAS NATURAIS SAUDÁVEIS SÃO BEM-VINDAS

O conceito de que as gorduras são ruins para a saúde está sendo desbancado pela ciência. Gorduras boas não engordam, dão energia para o corpo e protegem contra o diabetes.

Como a dieta para diabéticos é baixa em carboidratos (alimentos ricos em açúcar) é fundamental compensar essa perda energética com o aumento do consumo de gorduras boas.

São gorduras boas:

  • abacate
  • coco e óleo de coco
  • azeitonas
  • azeite de oliva extra virgem puro
  • manteiga
  • ghee (manteiga clarificada)
  • ovos caipiras
  • carnes orgânicas

As gorduras trans nunca devem ser consumidas porque estimulam a resistência à insulina.

Cuidados:

  • Observe o rótulo dos alimentos e evite alimentos feitos com gordura trans, gordura vegetal hidrogenada ou gordura vegetal.
  • Os óleos de soja, canola, milho são altamente inflamatórios e devem ser evitados.
  • Use manteiga no lugar de margarina.
  • Evite frituras.
Dieta para Diabetes

MODERE NA PROTEÍNA

Cuidado para não compensar a falta de carboidratos com proteínas (carne de vaca, frango, peixe, etc.). A digestão de proteínas exigem mais esforço do corpo e o consumo em excesso pode sobrecarregar algumas funções do organismo.

Dê preferência para peixes selvagens e animais criados soltos, afinal, sua comida também é o que ela come. A grande maioria dos animais criados em fazendas são alimentados com rações e não apresentam os melhores valores nutricionais, além de uma série de produtos geneticamente modificados. Sem falar nos medicamentos como antibióticos, antinflamatórios e até hormônios.

Peixes como o cação e atum apresentam grandes níveis de contaminação de metais pesados altamente prejudiciais a saúde. Prefira os peixes de cardume, como a sardinha e a pescada, que vem de águas mais limpas, e são espécies não ameaçadas.

Dieta para Diabetes

NOZES E SEMENTES PODEM SER CONSUMIDAS COM MODERAÇÃO

Dê preferência para o coco, a macadâmia, a castanha do pará, as amêndoas e as nozes. As sementes de abóbora, girassol, linhaça, gergelim e chia também são ótimas opções.

O gel de sementes de linhaça ou de chia podem ser usados em sucos vegetais ou para fazer geléias de frutas vermelhas (adoçadas com stevia, xilitol e taumatina). Esse gel é rico em fibras, nutrientes essenciais e precursores de ômega 3.

frutas são fontes de açúcar e precisam ser evitadas por quem tem diabetes

COMA FRUTAS COM MODERAÇÃO, EVITE EM SUCOS

As frutas são alimentos perigosos para o diabético por conter muito açúcar. Devem ser consumidas as menos doces, juntamente com suas fibras (evite em sucos) preferencialmente acompanhadas por oleaginosas (castanhas, amêndoas, nozes etc.), diminuindo assim o pico de açúcar no sangue.

As seguintes frutas são recomendadas e de consumo liberado (em natura):

  • abacate
  • coco
  • frutas vermelhas (morango, mirtilo, cereja, framboesa)
  • maça
  • kiwi
  • romã

Não deve:

  • geleia, calda ou compota de frutas
  • sucos de fruta natural
  • sucos de fruta em caixinha
  • adicionar açúcar ou adoçantes artificiais
Canela e curcuma ajudam no controle da glicemia

TEMPEROS SAUDÁVEIS

Alguns temperos são verdadeiros remédios para o corpo.

Canela

A canela é um ingrediente muito popular e que ajuda a controlar taxas de açúcar e tem a vantagem de poder ser consumida como tempero em vários pratos.

Cúrcuma ou Açafrão da Terra

A cúrcuma, uma raiz da família do gengibre, é possivelmente uma das substâncias da Natureza mais benéficas para a Saúde humana. A curcumina tem ação anti-inflamatória e antioxidante e pesquisas indicam que seu consumo diminui a incidência de depressão,  câncer, doenças do coração, mal de Alzheimer e muitas outras.

Esses sabores não fazem mal a ninguém, muito pelo contrário.

O diabético pode consumir farinhas de baixo índice glicêmico

MASSA DE FARINHA BRANCA NÃO PODE

O consumo de massas feitas com farinha de trigo, principalmente refinada, não é recomendado.

As massas feitas com farinha de grão de bico, lentilha, mandioca e arroz não se transformam em açúcar rapidamente e podem ser consumidas com moderação.

Experimente evitar alimentos com Glúten por 3 meses

O trigo de hoje não é como o trigo de nossos ancestrais e suas proteínas são altamente inflamatórias e levam a disbiose intestinal, contribuindo muito para o desequilíbrio dos níveis de açúcar no sangue.

Faça essa experiência e avalie como se sente.

A dieta Low Carb é baseada na redução do consumo de açúcar e amidos

FIQUE ATENTO: AÇÚCAR NÃO PODE

O açúcar em todas as suas formas (refinado, mascavo, orgânico, demerara, cristal) e todos os alimentos feitos com ele devem ser abolidos. O mesmo vale para os xaropes de glicose de milho, agave etc.

Esses produtos devem ser ABOLIDOS IMEDIATAMENTE da sua dieta:

  • refrigerantes normais ou dietéticos,
  • sucos de caixinha,
  • suco de laranja e
  • barrinhas de cereais

Esses não são os únicos alimentos a ser evitados, mas são os mais perigosos.

O ideal é adaptar o paladar aos sabores reais dos alimentos. Pode-se trocar o açúcar por xilitoltaumatina ou stevia, já que os adoçantes artificiais (aspartame, sacarina, sucralose, acessulfame de potássio) são igualmente prejudiciais a saúde.

Lembre-se que a vontade de comer doces é causada por um desequilibrio do corpo e diminui muito com a redução da ingestão de carboidratos, aumento da ingestão das gorduras boas e a prática do jejum intermitente.

Chocolate pode?

O cacau é um excelente alimento e pode ser consumido sim, desde que não tenha adição de leite ou açúcar.  Procure os chocolates com pelo menos 70% de cacau ou os chocolates funcionais (sem lactose, glúten ou adição de açúcar).

Dieta para Diabetes

Dieta para Diabetes

Dieta para Diabetes

Alimentos perigosos para Diabéticos

Você terá mais saúde se reduzir ao máximo o consumo de produtos industrializados. Alimentos processados perdem as fibras e são carregados de substâncias inflamatórias e cancerígenas, como a frutose processada, adoçantes artificiais, conservantes e realçadores de sabor.

Os alimentos naturais ricos em açúcar também devem ser evitados. Por isso fique longe de:

  • farinhas
    • pães
    • bolos
    • bolachas
    • massas
  • amidos
    • batata inglesa
    • beterraba cozida
    • pipoca de micro-ondas
  • grãos e cereais
    • trigo
    • arroz branco
    • barras de cereais
    • milho
    • soja
  • frutas doces
  • alimentos processados
  • bebidas industrializadas
  • alimentos com gordura trans ou gordura vegetal hidrogenada (muitas vezes identificada no rótulo como gordura vegetal)

MAIS DICAS PARA UMA BOA DIETA PARA DIABÉTICOS

CONTROLE A FOME

É preciso muita força de vontade para suportar uma dieta com calorias controladas. Uma dieta rica em gorduras naturais saudáveis aumenta a saciedade e diminui a vontade de comer açúcar. Lembre-se: a qualidade nutricional do que você come é mais importante que suas calorias. Experimente e comprove.

JEJUM INTERMITENTE

O conceito de comer de 3 em 3 horas está sendo desbancado pela ciência. Praticar o jejum intermitente (fazer todas as suas refeições em uma janela entre 6 e 8 horas, e ficar até 18 horas sem comer) tem resultados excelentes na reversão da resistência à insulina.

CAFÉ DA MANHÃ

Se você pratica o jejum intermitente, você pode tomar um café, chá, Matchá ou qualquer bebida que não contenha carboidratos ou açúcar.

Bater o café com algumas colheres de gordura boa (manteiga, óleo de coco, TCM etc), o famoso Bullet Proof Coffee, não interrompe o jejum e vai te deixar bem saciado até a hora do almoço.

Se você não pratica o jejum intermitente ainda Experimente cortar os carboidratos de manhã e consumir alimentos ricos em gordura, como ovos (preferencialmente com a gema mole), abacate, açaí ou um punhado de oleaginosas (castanhas) e veja sua disposição aumentar.

CUIDADO COM SAL

Principalmente se você compra alimentos industrializados, que tem baixíssimo valor nutricional e muito sal. O sal marinho também não é indicado. O consumo excessivo de sal aumenta a pressão arterial, que já é alterada pelo diabetes. Utilize somente o sal do Himalaia (rosa), pois além de sódio (85%) ele contém outros 83 oligoelementos essenciais a saúde.

APRENDA A GOSTAR DE BEBER ÁGUA

Manter o corpo hidratado é fundamental para a saúde e a água, de preferência alcalina, é o melhor hidratante. Basta alguns dias bebendo água para a vontade de tomar bebidas doces ir embora. Algumas gotas de limão vão quebrar a monotonia e ajudar a absorção dos nutrientes. O ideal é beber 2 litros de água por dia.

Para criar o hábito de consumir mais água ao longo do dia, você pode usar uma dica simples que funciona muito bem. Mantenha sempre ao seu lado, no seu local de trabalho ou aonde estiver, uma garrafa de água, assim toda vez que olhar para a garrafa vai se lembrar de tomar água durante todo o dia.

AUMENTE A  INGESTA DE FIBRAS SOLÚVEIS

As fibras são o grande aliado no controle da glicemia porque diminuem a velocidade que o organismo absorve o açúcar. No fim das contas os carboidratos serão convertidos em açúcar, o que as fibras fazem é inibir o aumento da glicose no sangue.

ATENÇÃO COM OS SINAIS DO CORPO

Por mais incrível que pareça, muitas pessoas confundem a sensação de sede com fome e acabam exagerando na comida. O corpo expressa suas necessidades através da produção de hormônios, que vão disparar a fome, a saciedade ou uma vontade comer algo específico. Entender esses sinais exige um pouco de disciplina e uma boa dose de auto observação. A boa notícia é que ao se observar você estará criando novas conexões neurais que vão te ajudar a reforçar a mudança de hábitos que você precisa para reverter e prevenir o diabetes.

QUANTO MAIS VARIADO MELHOR

Uma boa alimentação é rica em texturas e cores. O prato ideal é repleto de vegetais crus e cozidos, tem um pouco de proteína e gorduras boas. Evite refeições monocromáticas, como um prato de macarrão, por exemplo. É essa variedade de alimentos que vai garantir a riqueza nutricional necessária para manter a saúde.

Dieta para Diabetes

DIABETES: DIAGNÓSTICO, SINTOMAS E TRATAMENTO

Reuni aqui algumas lições que aprendi com o Dr. Fabio Gabas, quando o ajudei a criar a versão online de seu programa de saúde preventiva

Diabetes é uma doença caracterizada pela alteração dos níveis de açúcar (glicose) do sangue.O controle desses níveis de glicose no sangue é feito através de um hormônio chamado insulina, que é produzido pelo pâncreas.

Quando a produção de insulina é deficiente ou quando o corpo desenvolve resistência a ação do hormônio, a glicose se acumula no sangue e na urina, destruindo as células por falta de abastecimento e assim surge o tão temido diabetes mellitus, ou apenas diabetes.

Quando os níveis de açúcar no sangue estão altos, o organismo precisa eliminar este excesso; e a forma mais fácil de fazer isso é através dos rins, por meio da urina. É por isso que pessoas com diabetes tipo 2 ou tipo 1 sentem tanta vontade de urinar.

TIPOS DE DIABETES

Na Diabetes Tipo 1, o pâncreas do paciente deixa de produzir a insulina, aumentando os níveis de açúcar no sangue. Esse tipo de diabetes geralmente tem base genética e é diagnosticado na infância.

Na Diabetes Tipo 2 o organismo produz a insulina mas cria resistência a sua ação. Geralmente acontece com adultos obesos acima dos 40 anos. Nesse caso também pode haver uma predisposição genética que é disparada por fatores ambientais, como a obesidade e o sedentarismo.

A diabetes gestacional é a condição em que uma mulher sem diabetes apresenta níveis elevados de glicose no sangue durante a gravidez.

Entre 90% e 95% dos casos de Diabetes são do tipo 2 e são causados principalmente pela má alimentação e a falta de exercícios.

Conheça a alimentação para diabetes ideal.

FATORES DE RISCO

Pessoas obesas ou sedentárias, hipertensas, com mais de 40 anos e colesterol elevados têm mais risco de adquirir a doença.

A má alimentação é um fator muito importante, por ser uma das causas para a síndrome metabólica, ou pré-diabetes. Baixe o e-book Alimentação para Diabetes para saber mais.

Lembrando que a doença também é comum em crianças e adolescentes.

Você sabia?

Na década de 1920, nos EUA, uma pessoa consumia em média 2,2 kg de açúcar por ano enquanto hoje o consumo médio é de 80 kg de açúcar por ano.

Essa é uma das principais razões pelas quais a incidência de Diabetes vem crescendo assustadoramente. Em 30 anos o número de pessoas diagnosticadas com a doença no mundo subiu 10 vezes, passando de 30 para 300 milhões de pessoas.

Assim, a dieta para a prevenção e reversão do diabetes consiste em reduzir o consumo de carboidratos refinados (principalmente o açúcar e a farinha de trigo) e eliminar de vez a frutose processada, um tipo de açúcar altamente inflamatório comum em alimentos industrializados (como refrigerantes, sucos de caixinha, barras de cereais etc.).

PRÉ-DIABETES OU SÍNDROME METABÓLICA

diabetes tipo 2 é antecedido por uma fase de pré-diabetes, onde o corpo começa a criar a resistência contra a insulina e a leptina (o hormônio da saciedade).

Essa resistência desencadeia uma série de desequilíbrios no corpo, como alteração na pressão arterial, retenção de líquidosaumento do ácido úricoredução dos níveis hormonais da testosteronaaumento de triglicérides, entre outras. Além do Diabetes Tipo 2, a síndrome metabólica também é responsável pelas doenças cardiovasculares, o próprio câncer e o mal de Alzheimer (considerado o diabetes tipo 3).

A síndrome metabólica se inicia normalmente com o excesso de consumo de alimentos com alto índice glicêmico. O índice glicêmico (IG) é um indicador da velocidade com que o açúcar presente em um alimento alcança a corrente sanguínea o que também representa a velocidade com que determinado alimento se converte em açúcar. Quanto maior o IG mais rápido mais perigoso ele é para o organismo, já que seu consumo em excesso é um grande causador da Síndrome metabólica ou pré-diabetes, juntamente com a frutose, que apesar de não possuir alto índice glicêmico, é o principal responsável pela resistência à insulina e leptina citados.

Veja alguns alimentos com índice glicêmico alto, que os diabéticos não podem comer:

  • Refrigerantes
  • Pães
  • Bolos
  • Bolachas
  • Massas de farinha refinada
  • Arroz branco
  • Batata Inglesa
  • Granolas (com açúcar)
  • Barras de Cereais
  • Açúcar refinado
  • Xarope de milho
  • Sucos de fruta (principalmente os de caixinha)
  • Frutas muito doces (laranja, uva, banana etc.)

Dica: comer a fruta é muito mais saudável que fazer um suco, porque as fibras amenizam o pico de glicose.

Dieta para Diabetes

POR QUE O DIABETES PODE AFETAR SUA SAÚDE CARDÍACA

Uma das consequências da síndrome metabólica é o aumento de volume do abdômen, chamada de gordura visceral ou intra-abdominal. O problema é que essa gordura abdominal é uma glândula secretora de substâncias inflamatórias e vai aumentar consideravelmente os níveis de PCL, IL6, TNF alfa etc.

Essas substâncias inflamatórias prejudicam tanto as artérias que irrigam o coração  quanto as que irrigam o cérebro.
Assim, quanto maior a circunferência abdominal maior o risco de infarto, AVC, derrame e Alzheimer.

Eu tenho síndrome metabólica?

Segundo os critérios brasileiros, a Síndrome Metabólica ocorre quando estão presentes três dos cinco critérios abaixo:

  • Obesidade central – circunferência da cintura superior a 88 cm na mulher e 102 cm no homem;
  • Hipertensão Arterial – pressão arterial sistólica 130 e/ou pressão arterial diatólica 85 mmHg;
  • Glicemia alterada (glicemia 110 mg/dl) ou diagnóstico de Diabetes;
  • Triglicerídeos  150 mg/dl;
  • HDL colesterol £ 40 mg/dl em homens e £50 mg/dl em mulheres

O pré-diabetes é muito mais fácil de reverter do que o diabetes já instalado. É por isso que alimentação saudável e exercícios físicos são tão importantes para a saúde.

SINTOMAS E COMPLICAÇÕES DO DIABETES

O aumento da concentração de glicose no sangue desencadeia uma série de desequilíbrios no corpo. Como a energia não chega nas células, pela falta ou resistência à insulina, o diabético sente muito cansaço, fraqueza e pode ter alterações de humor. O corpo pede em vão mais comida e água, assim, a fome e sede aumentam, junto com a frequência urinária.

É comum o doente perder peso e sofrer com náuseas e vômitos. As tonturas ocorrem quando os níveis de açúcar estão muito baixos (hipoglicemia) ou muito altos (hiperglicemia).

Como os sintomas clássicos da doença (poliúria, polidipsia e polifagia) não estão presentes na maioria dos casos de diabetes tipo 2 e pré-diabetes, seu diagnóstico são confirmados através de testes laboratoriais de glicemia e de hemoglobina glicosilada.

Sintomas do Diabetes Tipo 1

  • aumento da frequência urinária
  • aumento da sede
  • aumento da fome
  • fraqueza
  • alteração de humor e nervosismo
  • perda de peso
  • náuseas e vômitos

Sintomas comuns no Diabetes tipo 2

  • infecções frequentes
  • alteração visual (embaçamento)
  • dificuldade de cicatrização
  • formigamento nos pés e perda de sensibilidade
  • furúnculos
  • cansaço
  • aumento da sede, fome e frequência urinária

COMPLICAÇÕES DO DIABETES

A falta de controle dos níveis de glicose no sangue geram uma série de complicações, principalmente na visão, nos rins e nos pés.

A visão pode ser comprometida pela Retinopatia Diabética, que faz com que os vasos sanguíneos da retina sejam danificados e permitam fluídos e sangue, criando os edemas. O quadro é perigoso e pode levar a cegueira.

A nefropatia diabética ataca os vasos sanguíneos dos rins e levam a perda de proteínas através da urina. O descuido pode comprometer as funções renais e obrigar o paciente a fazer hemodiálise, diminuindo muito sua qualidade de vida.

O pé diabético também é uma complicação comum que afeta a sensibilidade dos pés. Aparecem feridas que são muito difíceis de tratar, já que a capacidade de cicatrização diminui. Pode levar a amputação.

Impotência sexual, aumento da pressão arterial e doenças cardiovasculares também são comuns nos doentes.

É POSSÍVEL REVERTER OS SINTOMAS?

Reverter os sintomas do diabetes é totalmente possível. A prática de exercícios físicos associada a uma boa alimentação  tem ótimos resultados no controle da glicemia e na redução da resistência à insulina (baixe o e-book alimentação para diabéticos). Alguns suplementos também ajudam muito, assim como exercícios para controle de estresse.

Esses hábitos saudáveis em conjunto são uma verdadeira maravilha para o corpo. O que não existe é pílula mágica.

Para muitos a mudança de hábitos não é fácil, mas vale muito a pena. A recomendação é incorporar esses bons hábitos na rotina, junto com o tratamento medicamentoso até que o seu médico veja a transformação da sua saúde ocorrer e recomende a redução ou suspensão do medicamento.

DIAGNÓSTICO & NÍVEIS LABORATORIAIS IDEAIS

O diabetes pode ser diagnosticado com exames de sangue.

As principais alterações são no nível de glicose e insulina na corrente sanguínea.

A hemoglobina glicosilada (ou glicada) também é um indicador importante, já que a glicose em alta concentração no sangue adere às hemácias.

A resistência a insulina também afeta os níveis de colesterol, triglicérides e ácido úrico.

É importante lembrar que, além de diabetes, os exames também detectam o pré-diabetes ou síndrome metabólica– termo utilizado para denominar os pacientes com risco potencial de desenvolver a doença.

Procure um médico de sua confiança para realizar os exames.

NÍVEIS LABORATORIAIS IDEAIS

Quando o organismo desenvolve a resistência à insulina, seu nível no sangue aumenta, muito antes do que a glicemia. Por isso a glicemia sozinha não é um marcador fiel para você saber se tem pré-diabetes. Uma pessoa pode ter a glicemia abaixo de 100 e mesmo assim estar sofrendo de pré-diabetes. Esse desequilíbrio promove alterações na hemoglobina glicada, colesterol, triglicérides, ácido úrico e nos hormônios DHEA e testosterona.

Os valores laboratoriais ideias para manutenção de sua saúde:

  • Glicemia: nível ideal < 92
  • Insulina em jejum: nível ideal <= 5
  • Insulina pós-prandial (após o almoço): nível ideal <= 18
  • Hemoglobina Glicosilada: nível ideal 5.2
  • Triglicérides: nível ideal <= 100
  • HDL: nível ideal > 35 em mulheres e > que 45 em homens
  • Ácido úrico: nível ideal < 5.2

Cuidado:

Alguns laboratórios utilizam 24 como nível normal, mas níveis superiores a 8 indicam a resistência à insulina, e essa resistência começa a inflamar o corpo, provocar cansaço no meio da manhã, inchar o corpo, aumentar a pressão arterial.

TRATAMENTO

Calorias não importam muito na dieta LCHF

No caso do diabetes tipo 1 o tratamento convencional é feito com uso de insulina.

Já no diabetes tipo 2 o tratamento é feito com drogas que diminuem a glicose, a absorção do açúcar, a resistência periférica à insulina e estimular o funcionamento do pâncreas. Dependendo do caso, quando o controle da glicemia é muito difícil, é necessário uma combinação de drogas ou mesmo usar a insulina.

O problema é que essas terapias não visam a cura e sim o controle dos sintomas. O paciente se torna dependente dos medicamentos ou da insulina, sofrendo oscilações dos níveis de glicemia.

A qualidade de vida do paciente melhora quando para de controlar os sintomas e passa a tratar as causas reais do problema: má alimentação (excesso de açúcar e deficiência de nutrientes), falta de atividade física, intoxicações e estresse.

Cuidar da alimentação é um excelente primeiro passo.

JEJUM INTERMITENTE

O jejum intermitente consiste em concentrar todas as suas refeições em um período de 6 a 8 horas e permanecer até 18 horas sem comer nada.  No período de jejum é permitido beber café preto sem açúcar, chá, água com limão.

Esse jejum é uma ferramenta extraordinária para reduzir a resistência à insulina, a resistência a leptina e a atenuação da grelina, as raízes da síndrome metabólica e do diabetes.

Ele também auxilia a perda de peso porque o corpo, depois desse período sem alimento, já consumiu o estoque de glicogênio do fígado e dos músculos e passa a queimar gordura para obter energia. Desta forma o corpo aprende a gerar o equilíbrio dos níveis de glicemia.

Pode ficar tranquilo, quando o corpo inicia esse processo o nível de energia sobe, a fome diminui e a disposição aumenta.

Dica: bullet proof coffee

Dieta para Diabetes

HIDRATAÇÃO

Assim como as fibras, a ingesta correta de água é indispensável para a prevenção e controle do diabetes.

Um estudo realizado durante 10 anos, com 3 mil pessoas em Paris constatou que aqueles que bebiam mais água tiveram 30% menos chances de desenvolver o diabetes.

A desidratação, mesmo que leve, induz a produção do hormônio ADH ou vasopressina, o hormônio antidiurético. Esse hormônio age no fígado, estimulando a produção de glicose.

Quando a pessoa sente sede o corpo já está desidratado há algum tempo. Por isso é importante se habituar a beber água com frequência.

A recomendação é o consumo de 2 litros de água por dia e a cor do xixi é um bom indicador: ele deve ser amarelo bem claro. A cor escura indica que o consumo de água está baixo.

Lembre-se: de preferência para água mineral alcalina, com ph maior do que 7.

Dieta para Diabetes

ATIVIDADE FÍSICA

HIIT é a abreviação de High Intensity Interval Training, termo inglês para Treino Intervalado de Alta Intensidade.

Conforme o nome indica, o HIIT envolve exercícios aeróbicos realizados em máxima intensidade por um curto período de tempo, intercalados com momentos de descanso.

Esse é o tipo de exercício mais eficiente para melhorar a saúde e a capacidade cardiovascular.

Você pode fazer HIIT com praticamente qualquer tipo de exercício: calistenia, corrida, bike (normal ou ergométrica), natação, remada, batendo no saco de pancadas, flexões etc.

Iniciantes pode experimentar intercalar 3 minutos de caminhada com um minuto de trote por 30 minutos ao invés de caminhar 1 hora no mesmo ritmo.

A medida em que o condicionamento for aumentando, é recomendado aumentar a intensidade dos dois períodos, 3 minutos de esforço médio com 1 minuto de esforço intenso. E o próprio esforço deste 1 minuto pode ser crescente, dividindo-o em 3 etapas de 20 segundos, com aumento da intensidade.

Existe uma variedade de métodos de HIIT a disposição, escolha o mais adequado para você, lembrando sempre de procurar orientação médica antes de começar os exercícios.

Como o catabolismo de se realizar atividades sem alimentação é o mesmo de fazer os exercícios alimentado, é recomendado fazer as atividades físicas no período de jejum, ou com o consumo de um copo de Whey Protein de boa qualidade com água e também café preto sem açúcar, e só após o treino consumir carboidratos complexos, como a batata doce por exemplo. O treino em jejum vai estimular a queima de gordura e os carboidratos pós treino vai repor o glicogênio dos músculos, permitindo a sua reconstrução. São os carboidratos complexos que contribuem com a hipertrofia dos músculos e daí sua importância após o treino.

Dieta para Diabetes

SUPLEMENTAÇÃO

A vitamina D é o hormônio mais potente do corpo e a cada dia é descoberto mais benefícios sobre ela.  Essa vitamina protege contra o câncer, fortalece o sistema imunológico, tem ação antiinflamatória, modula os níveis de açúcar e diminui a depressão.

Antes de começar a suplementar, dose a quantidade de vitamina D no corpo. O nível ideal é entre 60 e 80 ng/ml.

É importante associar a vitamina D com a vitamina K2 (fração mk7). Essas duas vitaminas, quando associadas, aumentam a proteção contra a calcificação de artérias e outros tecidos. Falamos mais sobre isso nas aulas de prevenção de doenças cardiovasculares.

Outro suplemento fundamental para diabéticos é o Ômega 3, devido ao desequilíbrio entre ele e o ômega 6, que tem ação inflamatória,  da nossa alimentação

Alguns alimentos ricos em ômega 3

  • peixes selvagens de água fria*
    • sardinha
    • pescada
    • tainha
  • óleo de peixe
  • óleo de krill
  • sementes de linhaça (preferencialmente hidratadas)

*Infelizmente os peixes no Brasil não possuem quantidades significativas de ômega 3. Por isso é importante suplementar.

Alguns alimentos ricos em ômega 6 (evite)

  • óleo de soja,
  • óleo de milho
  • óleo de girassol
  • óleo de canola

Benefícios do Ômega 3

  • Melhora a mente e a memória.
  • Fortalece o cérebro.
  • Combate radicais livres.
  • Diminui o colesterol ruim.
  • Diminui os triglicérides.
  • Possui ação antiinflamatória.
  • Previne doenças cardiovasculares, evitando o entupimento dos vasos sanguíneos.
  • Combate a depressão.
  • Reduz a pressão arterial.
  • Aumenta a absorção de cálcio, auxiliando o combate à osteoporose.
  • Combate o diabetes.
  • Diminui os sintomas da TPM.
  • Auxilia no combate às crises de asma.
  • Se consumido em doses corretas, poderá atuar no processo de emagrecimento.
  • Alguns estudos apontam benefícios também para o humor, aprendizado, e o sistema imunológico.
  • Intervém na atividade dos órgãos reprodutivos.
  • Pode prevenir degeneração macular.
  • Reduz a incidência de bebês prematuros quando consumido durante a gravidez.
  • Alivia o desconforto da artrite.

Importante: o uso de suplementos deve ser orientado por um profissional de saúde

Dieta para Diabetes

SUPLEMENTOS QUE AJUDAM A DIMINUIR A RESISTÊNCIA À INSULINA

Canela

O consumo da canela (Cinnamomum zeylanicum Nees) ajuda a controlar a diabetes tipo 2, que se desenvolve ao longo dos anos e que não é dependente de insulina. A sugestão do tratamento para diabetes é consumir 6 g de canela por dia, que equivale a 1 colher de chá.

O uso da canela pode ajudar a regular os níveis de açúcar no sangue e, até, a pressão arterial, mas os medicamentos para o controle da doença não devem deixar de ser tomados, e por isso a suplementação com canela é apenas uma opção adicional para controlar melhor a pressão e diminuir a necessidade de insulina.

Gymena silvestre

A Gymnema Sylvestre é uma erva de origem indiana, ela é conhecida como “destruidora de açúcar”, segundo a tradução de seu nome. Ela é dietética, dessa forma, é uma das favoritas para ser utilizada em tratamentos para desequilíbrios de açúcar na corrente sanguínea e para doenças resultantes dessa alteração.

Garcinia Camboja 

Garcinia Cambogia é uma fruta orignal do sudeste asiático que ajuda a controlar a glicose no sangue e a melhorar os níveis de colesterol.

Cromo picolinato 

Picolinato de cromo é um suplemento, em cápsula, que inibe o apetite por doces e um grande aliado nas dietas de emagrecimento. Pessoas que fazem dieta podem se beneficiar dos efeitos do picolinato de cromo, já que quase todas as dietas têm algum tipo de restrição.

SUPLEMENTOS PARA REDUZIR OS EFEITOS COLATERAIS DO DIABETES

Whey protein

Whey Protein é a proteína do soro do leite extraída durante o processo de transformação do leite em queijo.

As principais vantagens de fazer o uso de Whey Protein ao invés de outras fontes de proteínas é o seu valor biológico elevado (VB 100), para se ter uma ideia, o valor biológico do frango está em 79, do peixe 83, carne vermelha 80, ovos de 88 á 100 e laticínios como o leite e queijo chegam a 80 o seu valor biológico, e que também seriam essas, outras fontes de proteínas indicas para consumo.

Outro fator importante da Whey Protein, é a alta concentração de Glutamina e BCAA, e com um relevante a mais, já que comparando grama a grama a Whey Protein com outras fontes de proteína, ela é a que fornece mais aminoácidos essenciais para o corpo, sem a adição de colesterol e gordura.

Ácido Alfa lipóico

OÁcido Alfa lipóico (ALA) é um ácido graxo de cadeia curta, encontrado nas mitocôndrias, sintetizado no fígado e também é obtido na dieta pelas carnes de animais como fígado e coração e de certas plantas, como brócolis, tomate, espinafre, couve de Bruxelas, e farelo de arroz. No entanto, a partir dos alimentos, não ocorre um aumento significativo no nível de ALA livre no corpo. Regulamentado como uma droga em vários países europeus (onde é aprovado para o tratamento de complicações relacionadas com a diabetes, certas complicações do alcoolismo, e uma variedade de condições do fígado), o 1,2 ácido lipóico é um componente importante da manutenção da saúde de cada indivíduo.

L Carnosina 

A L-Carnosina é um pequeno peptídeo que contém dois aminoácidos, beta-alanina e histidina. É encontrada em concentrações relativamente altas em vários tecidos do corpo, notavelmente nos músculos do esqueleto, músculos do coração, e no cérebro. O mais notável é que estes dois aminoácidos trabalham muito mais eficazmente do que trabalhariam se não fossem combinados para formar a L-Carnosina, primeiramente. Enquanto ainda estão combinados, possuem a capacidade exclusiva de rejuvenescer as células – fazer com que as células antigas rejuvenesçam e prolongar o ciclo de vida das mesmas. A L-Carnosina é a única combinação comercialmente disponível que possui esta capacidade muito rara e exclusiva.

O objetivo desse trabalho não é substituir ou interromper qualquer tratamento. Siga as orientações do seu profissional de saúde, pois é ele que vai recomendar a redução dos medicamentos quando o seu corpo começar a se equilibrar novamente.0RESPOSTAS

REFERÊNCIAS CIENTÍFICAS

SOBRE OS MITOS SOBRE A GORDURA:

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20888548
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18523037
https://authoritynutrition.com/it-aint-the-fat-people/
https://authoritynutrition.com/5-studies-on-saturated-fat/
https://authoritynutrition.com/6-graphs-the-war-on-fat-was-a-mistake/
https://authoritynutrition.com/top-8-reasons-not-to-fear-saturated-fats/
http://www.livescience.com/54984-high-fat-diet-weight.html
http://time.com/4386248/fat-butter-nutrition-health/
http://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2016/04/25/saturated-fat-finally-vindicated.aspx
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/14193818
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC296399/
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/9497172
http://ajcn.nutrition.org/content/early/2010/01/13/ajcn.2009.27725.abstract
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/9635993
http://ajcn.nutrition.org/content/early/2010/01/13/ajcn.2009.27725.abstract
http://www.eufic.org/page/tk/show/latest-science-news/fftid/Study-no-association-dietary-saturated-fats-cardiovascular-disease-risk/
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19439458
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26068959
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26268692
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24723079
http://jama.jamanetwork.com/article.aspx?articleid=202339

SOBRE OS MITOS SOBRE A FREQUÊNCIA DE REFEIÇÕES:

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4391809/
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20339363
https://authoritynutrition.com/11-myths-fasting-and-meal-frequency/
http://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2010/04/13/should-you-eat-many-small-meals-each-day.aspx
https://www.cambridge.org/core/journals/british-journal-of-nutrition/article/acute-effects-on-metabolism-and-appetite-profile-of-one-meal-difference-in-the-lower-range-of-meal-frequency/4AE8C3FC32CE7E456B9606F1AF963E76
http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0195666399902659
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26024494
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26226640
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19943985
http://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0038632
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3106288/
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3946160/
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4265261/
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12107252
http://ajcn.nutrition.org/content/85/4/981.short
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10867039
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16011467
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC329619/
Write a response … Close responses

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You might also like